Servidores da educação de Campina farão assembleia extraordinária com indicativo de greve na próxima segunda

Os servidores da educação do município de Campina Grande se concentrarão na Secretaria de Educação na próxima segunda-feira, 09, a partir das 9h, para assembleia extraordinária, com indicativo de greve. A decisão foi aprovada em assembleia da categoria realizada na Associação Atlética Banco do Brasil (AABB) na manhã desta sexta-feira, 06. Os efetivos cobram o cumprimento de uma extensa pauta, antiga e ignorada pelo governo municipal.

As reivindicações dos trabalhadores incluem o não cumprimento das progressões dos níveis do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração (PCCR), que atinge mais de 800 profissionais; a não elaboração do PCCR dos servidores de apoio; número excessivo de alunos por turma; ameaça de fechamento de turmas; falta de concurso público e as condições de trabalho, extremamente precárias – falta equipamentos  deproteção individual (EPIs) para servidores de apoio, produtos básicos de higiene, limpeza e alimentos, que continuam escassos nas creches e escolas municipais.

Presidente Giovanni Freire

Durante a assembleia desta sexta, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Públicos Municipais do Agreste e Borborema (Sintab), Giovanni Freire, destacou o problema da merenda escolar nas escolas e creches do município. “Crianças e adolescentes passam fome porque roubaram a merenda, servidores fazem cota e pedem doação para que os alunos não fiquem sem comer, por uma questão humanitária, mas quem deveria se preocupar com a situação este ano em nenhum momento se preocupou, porque verba existe sim”, frisou.

Diretor de Comunicação, Napoleão Maracajá

O diretor de Comunicação por sua vez, Napoleão Maracajá, comentou a situação das progressões que estão travadas na secretaria. “A questão da merenda está relacionada, é claro, ao assalto apontado ano passado pelo Ministério Público Federal, Controladoria Geral da União e Polícia Federal, mas o não pagamento das progressões não tem relação com este fato. A decisão de não pagar as progressões é uma decisão arbitrária do secretário de Educação”, afirmou.

Ainda de acordo com o presidente Giovanni Freire, haverá, simultaneamente à assembleia, reunião com o secretário de Educação de Campina, Rodolfo Gaudêncio. “Nós tentaremos mais uma vez o diálogo com a gestão, embora a categoria já esteja muito calejada por conta do constante descaso e agora, com vários relatos de perseguição e desrespeito. Toda a pauta, inclusive este último ponto, será discutida durante esta reunião e os servidores estarão na Secretaria para acompanhar o resultado e definir os próximos encaminhamentos, incluindo a possibilidade de greve”, detalhou.

Confira mais imagens na galeria:

Compartilhar:

Veja Mais